Categoria: Ninguém leva meu curso a sério

Um – parte I

nostalgia <3

A vida é engraçada. Quando eu tava no primeiro (até o último) ano da faculdade, eu quis muito sair logo daquela bagaça. Mentira, não era o tempo todo, era quase, principalmente na hora dos seminários e nos reajustes ABSURDOS das mensalidades. Porra, eu odiava seminários, odiava falar na frente de todo mundo porque eu tinha que ensaiar, né. Eu tenho problemas sérios com falta de léxico, nada sai fluindo normalmente quando eu tenho que falar pra mais de 4 pessoas, eu tenho que ser robótica e não-natural.
Eu lembro meu primeiro seminário, foi no primeiro ano e era na aula de língua portuguesa (PFF). A profa não me curtia e quase me bombou. Confesso que falei pouco, mas teve um cara que eu não esqueço, LEU UMA FRASE. E tirou uma nota mais alta que eu. Entendeu? Ele LEUU UMAAAA FRAASEEE e foi melhor, ela nem sequer ligou. E quando eu falei, ela simplesmente disse assim pra sala toda:
– GENTE, ALGUÉM OUVIU A CAROL FALAR? PORQUE EU QUASE NÃO OUVI.
Vaca. Aquela. vaca.
Sorte que minha sala é bem gente boa e o povo me defendeu. Chupa essa uva, valeoo?

Também odiava chamada oral. Porra, é faculdade e ainda existe chamada oral? Eu lembro na 5a-série e uma profa de história fazia todo mundo se borrar de tanto medo que ela dava na hora da chamada oral (que aconteciam em todas as aulas). Eu sentava do lado de uma menina nerd que assoprava tudo pra mim. O pior de tudo é quando vc não sabe responder, vc acha que todo mundo vai sair falando do quão burra vc é, se sente ali diminuida. A profa de Cinema era meio parecida com a de História, ela metia medo. Mas ainda bem que ela nunca me chamou, haha.

Então, as duas coisas que mais odiava na faculdade: seminário e chamada oral. E aulas que dão vontade de arrancar a cabeça, tipo os de filosofia que o prof passava a aula inteira lendo e uma das aulas de religião (não era esse o nome, mas na PUC é obrigatório todos os cursos terem um ano dessa disciplina) em que o prof era um capeta, o cara expulsou uma menina da sala porque ela FOI AO BANHEIRO SEM PEDIR PRA ELE. Oi, voltamos pra escola?
Pensando bem as aulas mais legais eram as de design gráfico, em que a gente ficava fazendo colagem, pintando e recortando. Faltava só a hora da soneca, huhu

Mas mesmo com essas coisas ruins que aconteciam, o resto era legal, e é disso que tenho saudades. Vai fazer 1 ano dia 10 que eu apresentei meu TCC, meus tweets de 2010 devem ter sido um porre porque foi só sobre isso. Mas eu sinto falta até disso. O cheiro de maconha é cheiro de nostalgia pra mim, hahah.. não que eu fumasse, mas é o cheiro da PUC. Vez ou outra quando encontro meus amigos da faculdade, a gente se reune num bar ali na frente, só pra ter aquele gosto de novo, de relembrar de tudo que a gente passou.  As pessoas nem perguntam mais o que é Multimeios, e faz tempo que não falo essa palavra. Isso porque só faz 1 ano, talvez esse é o ano que mais dê saudade, depois a gente nem vai mais lembrar.

Share Button

sabe o que um comunicólogo multimidiático não sabe fazer?

Quem faz Multimeios aprende tudo de uma vez: webdesign, design gráfico, fotografia, audiovisual, jornalismo, publicidade, direito…ahhaha. A única coisa que não sabe fazer é… CONTA!

Primeiro, por que você acha que a pessoa decidiu fazer COMUNICAÇÃO? Pra fugir dessa caralhada de 1+1=2. Muito difícil. Na verdade é errado falar que webdesign e design gráfico estão nessa área, porque elas trabalham com matemática e física, ou você acha que o Escher chutou toda a obra dele?

Enfim. A gente não sabe contar. A gente sabe criar, mas não sabe quanto é 5+5.

A gente sai que nem vocês, vai pro bar, pra restaurante…se enche de comida e bebida mas se fode na hora da conta. Tem quatro pessoas, os quatro pegam o celular pra sacar a calculadora. E a gente faz a conta assim “2+2= a??? hum……..peraí, tem certeza que deu 4? faz de novo aí.”
Ou tem lá nós quatro:
– GENTE, QUANTO É 4+4?

4+4????????????? hum………..

Agora a gente já tá mais esperto, tem calculadora ali no celular, apesar de ás vezes ser dificil de achar porque o celular é muito complexo. Mesmassim, nossa mãe continua nos amando. <3

Share Button

O dia que peguei no canudo

Há menos de 1 mês atrás, a moça da secretaria da PUC me ligou dizendo que minha colação ia ser dia 18/04. Claro que fiquei super feliz depois do rolo que deu quando minha coordenadora me mandou um e-mail dizendo que eu não tinha completado minhas horas complementares. Quer dizer, depois de trabalhar nos eventos de design, fazer estágio, cursos, ter ido pra Mostras de cinema, ter ido a galerias de artes e feito mais aulas que o normal, com certeza eu já tava xingando o mundo inteiro por isso. Mas aí ficou tudo certo e eu fiquei feliz.
Eu sei que nosso curso não aderiu a festa de formatura, mas mesmo assim eu tinha esperanças de algo bonito, até a moça da secretaria falar:
– Vai ser numa sala de aula….ou numa secretaria, não sei. Liga no dia pra saber.
Romantismo ZERO. Primeiro por conta dos lugares, segundo pelo ‘liga ae no dia que a gente te encaixa aí nem que for em cima do lixo’.

Aí chegou o dia. E aproveitei pra ir ao cabelereiro, não por causa disso, mas porque a minha franja já tinha atingido o ápice da não-franja (lê aqui sobre), e eu realmente tava precisando cortar. E fui num cabelereiro novo e tal… aí ele perguntou se eu tava de folga no trabalho:
– Não, é que hoje é a minha colação!
– JUUURA? Aiiiiiiii, parabééénss!! /insira palminhas com pulinhos de felicidade
– Obrigada!
– Que horas que ééé?!!
– 19hs.
– Queeee? Mas agora são 17hs, e tá super em cima!!! E o cabelo, você vai fazer um baby liss? Aiii faz faz faaaz! Vai ficar maravEEELHOSOOOAAAM! AAAAAAAH!!!
– hum.. não. é que vai ser na err…ahn…secretaria.
– Ah. E ae, vai cortar como a franja?

O legal foi rever a PUC, eu gosto dela..me sinto em casa, não por causa do cheirinho de maconha hahaha, mas tenho ótimas lembranças ali. :) Se pudesse, eu voltava pra faculdade (com todos os meus amigos, claro)…só pra ficar a toa ali. E rever os colegas e amigos também é ótimo, apesar de ver pelo menos 1x por semana meus amigos, é sempre bom ver com os colegas.

Aí o lugar não era na secretaria e nem na sala de aula, e sim na sala dos professores, hahaha…veja bem, já temos uma evolução(zinha). Vai umas 30 pessoas por vez, a gente faz juramento e a sra. coordenadora/professora chama cada um e dá um papel:
“Este é um comprovante de que você se formou. O diploma chega em até 90 dias úteis.” ….quer dizer, romantismo zero parte II. Se quer ser tão romântico, era mais fácil mandar por e-mail em arquivo .pdf pra gente imprimir.

Conclusão: não, eu ainda não peguei de vez o canudo, só os resquícios dele.


Teve nada disso não.

Share Button

Sobre a experiência do TCC

Esse post tá meio atrasado, mas mesmo assim sempre vale a pena compartilhar a experiência, porque é praticamente inesquecível. Desde o primeiro ano da faculdade, os professores já te falam sobre o Tcc. É como se você entrasse no 1o colegial novamente, onde os professores não páram de assustar sobre o maldito vestibular.
Tenho alguns amigos passando por isso esse ano (tcc, não vestibular ahha), e alguns me pedem dicas, quero dizer…eles ME pedem dicas. Para MIM. Vou contar um pouco da minha experiência:
1o ano da faculdade: tcc? pouco me ligando pra isso. quero dormir até 12h, fazer meus primeiros amiguinhos e descobrir até onde vai esse tal de curso chamado Multimeios e hey! Por que eu tô tendo aula sobre a biografia do Schenberg? E essa aula de língua portuguesa, parece que tive essa mesma aula na 7a série. E fiz novos amigos e inimigos: Pasolini, Renoir, Godard, Truffaut, Vertov, Eisenstein, Herzog, Kurosawa, etc.
2o ano da faculdade: tcc? Não, acabei de arranjar meu primeiro estágio…. já tou com preguiça de viver.
3o ano da faculdade: Ok, pensei num tema. Design na China…bem amplo, pouca informação. Bodiei.

4o ano da faculdade: Aqui começa o desespero. Nas férias, até parece que me preocupei com alguma coisa. Aí quando chegou o primeiro dia de aula, o Renato veio falar de um projeto legal que a gente podia fazer, e eu topei. Mas na primeira aula de tcc, o professor veio falar: “então gente, ESSE ano eles não deixam fazer tcc em grupo. Tem que ser individual.” WHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAT? Em uma semana eu tinha que pensar numa bosta de um tema. E aí eu comecei a fazer sobre a tipografia em SP…sei lá, era algo assim. Só que aí eu comecei a pensar com mais calma, porque no desespero eu escolhi uma coisa que eu achava legal, mas que não gostava o suficiente pra ficar estudando sobre ele. E eu tava numa fase em que eu tava curtindo muito os trabalhos do Calma. E eu gosto bastante de graffiti, quer dizer, por que não, né? Aí beleza, mudei tudo e eu tinha um tema que eu gostava e que tinha a ver com meu curso.

Só coisa boa pra ler :)

E então chegou a hora de fazer as pesquisas e leituras e entregar alguma coisa provando que você realmente anda fazendo algo do seu tcc. Acontece que ao invés disso eu ia pro bar, restaurante e dormia, e quando chegava domingo a noite (as aulas de tcc eram de 2a-feira) eu me descabelava pensando “POR QUE NÃO FIZ ISSO ANTEEES?!” sim, eu sei que vc se identificou. hahaha

Aí acaba o primeiro semestre e no último fds do dia da entrega é que eu realmente fiz o pré-projeto, porque afinal…vale nota. E aí terminei o  semestre pensando: “olha, no 2o semestre vai ser diferente. vou escrever pelo menos 1 página por dia, vou ser diferente.” SONHA. Eu sonhei, até parece, eu sou vagal desde 1986 quando mamãe dava tapinha nas minhas costas depois de eu mamar pra arrotar e eu não fazia porque eu evitava a fadiga.

Então posso dizer, procrastinei até o último minuto…porque chegava todo domingo (que em 2010 virou dia do tcc) eu sentava e ficava olhando tudo menos o tcc, daí quando eu voltava pro projeto, eu escrevia umas 5 linhas, parava 1 hora e no final desistia. Faltando dois meses pra entrega final, as pessoas perguntavam como andava, e eu dizia: “ah, falta escrever umas 40 páginas!” umas se assustavam e diziam que eu tava fodida, outras diziam que tudo bem…eles também começaram a fazer nos últimos 2 meses. Acontece que, eu não fiz o meu nos últimos dois meses, eu escrevi 40 páginas em DUAS SEMANAS. Aí no desespero eu começava a teclar que nem uma louca, porque eu li razoavelmente vários outros trabalhos de conclusões e o livro do Calma; e surpreendentemente alguns livros ahahah. Sem contar que ainda tem que revisar, colocar legenda nas imagens e blá blá…um trabalho muito fdp de escroto, mas que quando vc vê o final dele, é lindo. Eu acho que escrevi 20 páginas em 5 dias ahhaha. Obviamente que foi nos  5 dias antes da entrega. Pena que não consegui tirar foto da monografia final, linda e maravilhosa.

O que eu digo finalmente é, se você se empenhar mesmo que faltem duas semanas, dá pra terminar sim (manjando muito bem do assunto, claro haha). É muito escroto falar isso, né… que pode deixar pras duas ultimas semanas, então, não façam como eu. Não precisa escrever todos os dias, mas reseve uns dias pra escrever. ahahaa, não pense como eu: “aahhhh mas ainda faltam 10 meses…; ahh mas ainda faltam 5 meses…; ahh, mas ainda faltam err…2 meses? PQP 2 SEMANAS? AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH!” ahhahaha.

Aliás, duas semanas.. 9,5 na monografia. Obrigada. /heh

Share Button

Multimeios: então é isso?

Insira aqui a música clássica de formatura

Hoje mesmo foi a apresentação do meu TCC. Engraçado, até algumas horas atrás eu ainda era uma filha da puc. Agora, não mais. Eu sofri por antecipação? Sim. Eu sofro por antecipação por medo de comentários cabeludos e perguntas em que talvez eu não possa responder. Na verdade foi mais tranquilo do que pensei. Minha banca foi bem escolhida, minha profa. favorita estava lá. Ganhei elogios, ganhei boas críticas e por fim meu coração voltou ao seu batimento normal. 9,5 e um sorriso estampado.Me formei!

Tô triste, tô feliz. A PUC definitivamente foi um dos melhores momentos da minha vida. Tive um sentimento paradoxal com meu curso (ALO AMIGOS, NUNCA ESQUEÇAM DO NOME DO MEU CURSO: MULTIMEIOS!!), eu amei, eu odiei. A faculdade foi filha da puta muitas vezes, mas nunca pensei em desistir como muitos da minha turma. De 100, no final sobraram 35, ou até menos.  Muita merda aconteceu (e receio que ainda vou enfrentá-los haha), muito stress ocorreu, a grade foi feita e refeita por protestos,  muitos professores ruins tentaram ensinar, muita matéria inútil…mas isso meus caros amigos, é a faculdade.

Fiz amigos extraordinários que com certeza vou carregar pela vida inteira, que me acompanharam na tristeza e na alegria, nas risadas, nos bares, nas aulas intermináveis, no exploramento de novos restaurantes (e bares!) e sem eles eu acho que nunca conseguiria enfrentar um filme inteiro do Godard. Foi com eles que abri novos horizontes para o cinema. Filmes japoneses, russos, italianos e meu novo preferido: os franceses. É com eles que quero abrir nosso estúdio. E é com eles que vou ficar fudida se sumirem da minha vida.

Com certeza eu ainda insisto aos amigos a prestarem Comunicação e Multimeios. Nós não sabemos explicar exatamente o que é, mas aí eu fico pensando: só quem faz entende. Como disse meu professor: “Multimeios = sinergia de mídias”. Não entendemos muito bem, mas sabíamos perfeitamente. Lembro do dia em que eu pintava, recortava e mostrava os curtas metragens que fiz. Meus amigos da área de administração piravam, achavam surreal ter isso em faculdade. Não meus amigos, não é um fácil pensar num roteiro, ter paciência em fazer um stop motion, criar um logotipo, fazer um site, pensar num layout, fechar um arquivo para revista, tirar uma boa foto. Sim, fizemos tudo isso. Sim, é tudo muito trabalhoso, mas bastante recompensador e divertido.

Foi com esse curso que descobri que Kubrick não é apenas Laranja Mecânica, que Godard é mais complexo do que na música do Eduardo e Monica, que o Kurosawa faz filmes belissimos e delicados, que Kieslowski soube trabalhar o azul, o vermelho e o branco, que Fritz Lang é melhor com orquestra ao vivo, que Truffaut é muito mais do que vontade de chocolate (haha) e que não…eu não vou assistir Aguirre e nem Arca Russa. Com esse curso eu conheci Foucalt, Sloterdjik, Veyne, Bakhtin, Levy e outros incontáveis que nunca mais vou ouvir falar.

Lembro como se fosse ontem: abandonei o curso de publicidade na FAAP. Não sabia o que fazer, abri o livrinho da PUC e escolhi Multimeios por falta de escolha. Foi um risco. Um belo e ótimo risco.

PUC e Multimeios: taí as coisas que não vou esquecer. Das lesadices das pessoas, da profa segurando a parede porque caiu o papel do retroprojetor, do cheirinho da maconha (odeio haha), do professor dizendo que tinha que pedir permissão pra ele pra poder ir ao banheiro (!!), das reuniões sem fim com os milhares de problemas que aconteciam no curso, das tardes gostosas na puc, da padaria benjamin abrahão e seus croissants gigantescos, da garagem em que nos jogaram nos primeiros anos, no rio de alagamento quando chove,  da prainha, das pérolas dos amigos e colegas, da minha sala que apesar de não falar com vários, mas era a minha turma.

Eu sempre ouvi e ouvirei: “Você faz Multiqqqqq? Ah, é webdesign, né?” Não, não é webdesign. Aliás, webdesign é o que tem de menos nesse curso. Confia em mim, apesar dos problemas sem fim… de algumas matérias horripilantes e inúteis, não conheço uma pessoa que prestou e terminou que se arrependa de ter feito. E existem ótimos professores, que viraram meus favoritos. Vide a maioria de design gráfico. Hoje sou comunicóloga multimidiática (ok, inventei) com muito orgulho!

É isso. Já pode pegar no canudo? /heh

Share Button

1 2 3 5